quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Etanol a partir de resto de cerveja, brindemos!

Dos crimes não-oficiais que ofendem todas as culturas, o desperdício de cerveja é o mais mal falado. É uma quebra de rito, um ato de violência contra o altruísmo, dizem alguns antropólogos e teóricos de mesas de bar.

Para evitar futuras manifestações populares, nos Estados Unidos, uma empresa chamada E-Fuel Corporation criou uma tecnologia que põe um basta na cerveja despejada; e liga a torneira: todo o resto da bebida alcoólica mais consumida no mundo será transformada em etanol de alto nível.

É sério. E fará bem. A empresa realizou um eco-acordo com a companhia de cerveja Sierra Nevada Brewing para fabricar etanol a partir de resíduos do suco de cevada (lê-se espuma), água e açúcar.  O teste entre as corporações ocorrerá no segundo trimestre deste ano, na cidade de Chico, na Califórnia, com previsão de entrar no mercado americano no fim de 2009.

Na região, segundo a distribuidora de bebidas, cerca de 1,6 milhões de galões de 'cerveja de fundo de barril', isto é, totalmente inutilizável para consumo, são revendidas a fazendeiros e agricultores, que utilizam o líquido cheio de nutrientes, entre outras coisas, para alimentar animais leiteiros.

A máquina responsável pelo espetáculo é chamada por MicroFueler 1100, que, em seu processamento, elevará o teor alcoólico dos resíduos de 5% para 15%, aumentando assim o rendimento do etanol.

O Efuel 110 MicroFueler pode se gabar por ser a primeira refinaria portátil de etanol do mundo. Uma das vantagens da maquininha é que ela usa açúcar em vez de amido no processo de destilação, o que significa mais dinamismo na produção. Com 4,5 a 6,5 quilos de açúcar é possível produzir um galão (3,78 litros) de etanol, de acordo com a companhia. A capacidade máxima de produção diária da máquina é de 5 litros.

Apesar de, teoricamente, tirar nutrientes baratos de pequenos bezerros, a medida é amiga do ambiente por ser uma boa alternativa aos combustíveis fósseis. E, é claro, ao global estapeamento por petróleo.

 

Nenhum comentário: