segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Material adesivo permite andar em paredes

Em um futuro próximo, pessoas usando pés artificiais poderão escalar paredes como o homem-aranha.

Esse é apenas um exemplo das tecnologias apresentadas durante a TED, feira anual de Tecnologia, Entretenimento e Design que reuniu empresários, profissionais de Hollywood e renomados cientistas.

Nesta edição, entretanto, o otimismo em relação às próximas novidades da ciência foram influenciadas pela complicada realidade atual.

Como conseguir fundos para iniciativas embrionárias quando mercados de capital estão instáveis e investidores cada vez menos aceitam colaborar com projetos de risco foi um dos temas discutidos no evento.

“Não é que ninguém está preocupado com a crise financeira, mas este é um local e um momento para darmos vasão ao otimismo e à criatividade. Esses inventores estão pensando no futuro e para eles o presente já é passado”, disse Martin Pazzani, CEO da Bluestone Partners, uma empresa de private equity de Berverly Hills.

Nem todos estão tão confiantes quanto Pazzani. Desde 2008, quando os problemas começaram a surgir no Vale do Silício, obter crédito para novos empreendimentos é um complexo desafio.

Os visitantes da TED preferiram sonhar com o que farão nos próximos anos em vez de dar atenção aos problemas atuais.

O biólogo Robert Full, da Universidade da Califórnia, e seus colegas de Stanford estudaram a textura do corpo de uma lagartixa e criaram um material adesivo que se agarra a qualquer superfície lisa e seca. Os pesquisadores exibiram um vídeo mostrando uma mulher que vestia “pés de lagartixa” para caminhar sobre uma parede.

Inquietações a respeito da saúde também ficaram evidentes durante a TED, especialmente após Bill Gates soltar mosquistos à platéia que via sua palestra para chamar a atenção aos perigos da malária.

Além disso, Nathan Wolfe, um caçador de vírus que comanda a Global Viral Forecasting Iniciative, afirmou que nos próximos cinco a dez anos será possível evitar mais tipos de câncer por meio de vacinas.

 

Nenhum comentário: