quarta-feira, 8 de abril de 2009

Medo do Conficker facilita ação de crackers

O medo de internautas em relação a pragas virtuais como o Conficker favorece ataques feitos por meio de falhas de programas de segurança, de acordo com relatório divulgado pela Microsoft nesta quarta-feira (08/04).

Conforme as ameaças virtuais chegam às manchetes e assustam os usuários de PCs, a procura por software de segurança online e gratuito cresceu aceleradamente e muitas vezes esses programas são os verdadeiros vilões da história.

Segundo o Security Intelligene Report da maior fabricante de software do planeta, sete das 25 principais pragas virtuais detectadas nos computadores monitorados pela empresa – máquinas com software da marca instalado – acessaram o sistema do usuário se passando por um antivírus online gratuito.

Nos últimos seis meses de 2008, a Microsoft desinfectou cerca de 4,4 milhões de PCs vítimas de complexos e bem-sucedidos vírus em forma de software de segurança.

Esse número representa um aumento de 67% em relação ao registrado no primeiro semestre de 2008, ressaltou George Stathakopoulos, chefe de segurança de produtos do Grupo de Computação Confiável da Microsoft.

O notório Conficker pode ser parte da estratégia dos crackers, segundo Stathakopoulos.

O relatório também revelou que até internautas precavidos estão sendo convencidos por insistentes pop-ups a pagarem por sistemas de proteção que, na realidade, são pragas desenvolvidas para roubar dados pessoais.

No geral, a análise da Microsoft mostra que os casos de problemas com programas de segurança diminuíram 3% na segunda metade do ano passado, em comparação com a primeira. Entretanto, a quantidade de casos classificados como “altamente perigosos” aumentou 4%.

O levantamento é baseado apenas em máquinas rodando o sistema operacional da companhia.

 

Nenhum comentário: